A lista de espera para se ter um automóvel em mãos atualmente pode chegar a 120 dias.

Segundo informações da Federação Nacional de Distribuição de e Automóveis, a Fenabrave, só em março já foram vendidos 117.109 novos veículos no país. Além disso, houve um crescimento considerável em relação ao mesmo mês em 2020, levando em um aumento de 13,69% nas vendas. 

Diante disso, se entende que já estava tudo encaminhado para uma estabilização, todavia, não é bem isso que está acontecendo de fato neste cenário, considerando que a lista de espera para ter o automóvel em mãos atualmente pode chegar a 120 dias. Além disso, em casos de clientes corporativos, a demora pode ser de até 180 dias. 

Posto isto, entenda os motivos determinantes para o atual cenário da compra de automóveis 0 km.

É claro, a pandemia 

Diante dos inúmeros impactos financeiros resultantes da pandemia do Covid-19, a expressiva falta de demanda no de automóveis, o fechamento das lojas, foram resultantes de uma paralisação nas linhas de produção.

Sendo assim, o segundo semestre de 2020 foi caracterizado por grandes filas na lista de espera, tendo em mente, que as montadoras precisam de tempo para retornar com o habitual da produção, bem como a lenta volta do funcionamento normal do comércio. Tudo isto resultando em uma maior demanda do que automóveis ofertados no mercado.

REUTERS / Chris Helgren
REUTERS / Chris Helgren

Além disso, cabe salientar outros fatores que devem ser citados, tal como a falta de matéria-prima necessária para produção. Isto se dá por do maior tempo ao qual as pessoas passavam em devido ao isolamento, que, gerou um aumento na compra de aparelhos eletrônicos para o entretenimento. Desse modo, as montadoras enfrentam uma falta de chips e semicondutores. 

Embora tudo isto seja em consequência da pandemia, seja direta ou indiretamente, é válido acrescentar que nem tudo se pode colocar na dos impactos do covid-19, tendo em vista, a indústria já estava carente de materiais necessários como alumínio, aço e borracha. Além disso, uma das maiores fabricantes de semicondutores do mundo, a Renesas, sofreu um incêndio em março, acarretando o interrompimento  da produção. 

Previsão de melhora

Apesar disso, a previsão é de melhora para a situação, considerando que dificilmente as montadoras irão interromper novamente a produção, devido ao processo de vacinação contra a covid-19. Além disso, a maioria das que estavam paradas já retomaram as atividades. 

Em suma, a situação deve se estabilizar, no entanto, é necessário paciência, pois o processo se dará lentamente.

Conteúdo por Lucas Machado

Fonte Jornal Contábil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *