Cerca de 65 milhões de pessoas são hipertensas no País

Aproximadamente de 30% da população brasileira, ou 65 milhões de pessoas, são hipertensas, segundo dados da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC).

Uma das principais razões da doença não receber mais atenção é que, geralmente, a arterial é assintomática.

No entanto, ela precisa de cuidados, já que é responsável por até 80% dos AVCs e 60% dos infartos. Por hora são registradas, em média, 40 mortes por razões cardiovasculares no País.

Segundo o cardiologista Roberto Botelho, diretor do Instituto do Coração do Triângulo e médico da Conexa Saúde, a hipertensão também é a principal causadora de insuficiência cardíaca e renal.

“Ela está entre as quatro principais causas de morte no Brasil e suas origens são múltiplas, sendo sedentarismo, obesidade, diabetes, colesterol alto e causas hereditárias as principais.

As pessoas precisam dar mais atenção aos riscos atribuídos à hipertensão. Elas têm a doença e nem sabem”, destaca o especialista. Chamada popularmente de , pode atingir desde crianças a idosos, de ambos os sexos.

As consultas médicas realizadas por meio de plataformas de telemedicina tem sido cada vez mais usadas para o atendimento, tratamento e monitoramento de pacientes , ainda mais em época de distanciamento social, provocado pela pandemia. Com a ajuda da tecnologia, o médico pode acompanhar um paciente crônico com muito mais frequência.

Dados recém-lançados da pesquisa “Telemedicina no Brasil”, realizada pelo Datafolha e pela Conexa Saúde entre os meses de novembro e dezembro de 2020, mostram que 61% dos pacientes entrevistados gostam de ter o acompanhamento do profissional de saúde por meio da ferramenta, sendo que para 77% do total de pacientes, a telemedicina se destaca pela praticidade.

“Quando falamos em acompanhamento de um paciente hipertenso, a telemedicina é uma excelente ferramenta por ser acessível, de baixo custo e alta qualidade. Com um celular ou computador é possível ter acesso a médicos especializados, de qualquer lugar, na segurança de casa”, reforça o cardiologista.

Na consulta online, o médico pode ter a ajuda de dispositivos tecnológicos, facilmente encontrados em farmácia, como o aparelho de aferir pressão, pulso e frequência cardíaca que mostram em tempo real as condições do paciente, que ao utilizar esses equipamentos, consegue fornecer os dados em tempo real para o médico.

Outra vantagem é o monitoramento periódico da jornada do paciente, com orientações de profissionais complementares no tratamento como nutricionistas e psicólogos.

A ajuda da telemedicina no combate à hipertensão

Uma pessoa é considerada hipertensa quando sua pressão arterial está igual ou acima de 14 por 9 (140mmHg X 90mmHg). Ao ocorrer isso, o coração dilata e danifica as artérias, favorecendo ocorrências de AVCs e infartos.

O melhor tratamento, segundo o cardiologista, ainda é a prevenção. Manter uma alimentação saudável, praticar exercícios físicos, dormir bem e cuidar da saúde mental, incluindo meditação, relaxamento ou outras atividades que prendam a atenção e aliviem o estresse físico e mental é recomendado. “São atitudes simples que podem mudar a qualidade de vida de todos, inclusive do hipertenso”, complementa Botelho.

Para as pessoas hipertensas diagnósticas, além das correções de hábitos, é preciso o uso de medicamentos anti-hipertensivos que normalizem o nível da pressão arterial para que não ultrapasse os valores de 12X8.

Por Conexa Saúde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *