Confira dicas de como evitar um colapso energético em casa

Nosso dia a dia está cada vez mais interligado ao uso de aparelhos eletrônicos. Para quase tudo que fazemos, utilizamos algum tipo de equipamento alimentado por .

São TVs cada vez maiores e, muitas das vezes, com várias pela casa, vídeo games, ar condicionado, aparelhos de som, barbeadores, carregadores de celulares, notebooks e até na cozinha, que antigamente disponha apenas de uma geladeira, conta com micro-ondas e panelas elétricas.

Enfim, são inúmeros os dispositivos que dispomos para auxiliar na nossa rotina. Consequência disso é uma possível sobrecarga no sistema elétrico da casa, o que pode gerar uma grande dor de cabeça para o morador.

De acordo com Maria Fernanda Silva de Oliveira, arquiteta do escritório Estúdio 4 Soluções em Arquitetura, quanto mais avanços temos na tecnologia, mais devemos nos preocupar com a fiação da residência. “A gente começa a pensar na instalação elétrica já no projeto.

Então, os imóveis mais novos têm que suportam a demanda desses aparelhos sem nenhum problema.

Já as instalações mais antigas podem acabar sofrendo com sobrecarga, pois elas não foram feitas para suportar tantos aparelhos elétricos conectados”, disse Maria Fernanda.

A arquiteta falou que é comum as pessoas a procurarem para refazer o projeto elétrico, pois não há tomadas suficientes nos cômodos, os plugs estão aquecendo e, na maioria dos casos, está havendo desarme do disjuntor, principalmente quando o chuveiro é ligado.

“Com o auxílio de um engenheiro eletricista, trocamos toda fiação, refazemos o quadro de distribuição e colocamos novos pontos de tomada para atender toda a demanda de aparelhagem dos dias de hoje”, explicou Maria Fernanda.

A demanda pela reforma da parte elétrica, conforme observou Maria Fernanda, teve um aumento durante a pandemia, pois as pessoas passaram a estudar e a trabalhar em casa e acabaram precisando adequar os ambientes para ligarem os computadores.

“Com essa história de aulas on-line e Home Office, as pessoas precisaram adaptar os espaços para comportarem os computadores, pois – em grande parte – não há tomadas suficientes”, revelou a arquiteta.

No entanto, a arquiteta tranquiliza quem precisa desse tipo de reforma, mas não quer quebrar as paredes da casa.

“Algumas alternativas que a gente usa para evitar cortes é a utilização de painéis de marcenaria que, além de esconder a fiação, dão um charme superespecial ao ambiente.

Também pode-se usar algum móvel que esconda esses cabos ou que dê para passar a fiação por dentro deles. Só em último caso que nós sugerimos cortar a parede”, esclareceu Maria Fernanda.

Segundo Olavo Rocha, fundador da Tecai, uma cena muito comum ultimamente é pai, mãe e filhos, ao mesmo tempo, ligarem seus notebooks e smartphone na rede de internet, para trabalhos e aulas, e a qualidade da conexão cai vertiginosamente.

“Para melhorar a distribuição do WiFi na residência precisamos considerar uma série de fatores em relação a disponibilidade do sinal como a infraestrutura de materiais, a arquitetura do local e a distribuição perfeita desses em relação a demanda atual e futura dos moradores”, elucidou Olavo.

Para ter um sinal satisfatório e que atenda a demanda de toda família, Olavo explica que é preciso preparar toda a rede de infraestrutura do WiFi para, assim, usufruir plenamente das suas atividades.

“É importante considerarmos a infraestrutura adequada para as TV’s, para os dispositivos das casas inteligentes, do Home Office para que os empresários possam ter reuniões mais produtivas com qualidade de áudio e vídeo, tudo isso fará com que tenhamos aproveitamento de 100% da internet através do Wi-Fi”, concluiu o proprietário da Tecai.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *