Fintechs: O que são, e o que a integração do Santander mudará para você correntista

Entenda o que são e o que a integração das do mudam para você correntista desse banco.

A cada ano que passa a incorporação de diferentes tecnologias avança ainda mais em diversas áreas da nossa vida, seja no trabalho, seja no cotidiano.

Assim, com o objetivo de tornar o ambiente econômico mais seguro e prático, surgiram as fintechs.

Se tornou então comum que grandes bancos apresentem diferentes soluções inovativas e com o propósito de otimizar os mais variados serviços do sistema financeiro.

Essas transformações digitais se tornam ainda mais importantes em tempos da epidemia do novo coronavírus e da quarentena.

Assim, um dos gigantes mundiais, o grupo Santander, deu início aqui no Brasil à integração entre as suas fintechs.  

Essa mudança pode significar alguns benefícios aos clientes: maior facilidade na obtenção de um cartão Santander, menor dificuldade no acesso ao crédito, menos burocracia, bem como acesso facilitado a outros produtos do grupo. 

O diretor de Negócios Digitais do grupo no Brasil, Geraldo Rodrigues, afirmou que a integração tem como objetivo oferecer aos clientes – correntistas ou não – um maior leque de produtos e serviços.

Essa movimentação é o início de uma maior cooperação entre todas as fintechs do banco Santander e uma otimização dos serviços para os clientes.

Cada fintech tem a sua finalidade que  pode variar desde renegociação de dívidas, oferta de crédito e, claro, foco em investimentos. Entenda a seguir como funcionam as fintechs do banco. 

A palavra fintech já explica bastante sobre o conceito: união das palavras de origem inglesa financial (financeiro) e technology ().

As fintechs, como não poderiam deixar de ser, são produtos da quarta revolução industrial, marcada pelo alto investimento em tecnologia de ponta. 

De maneira geral, as fintechs já estão presentes na vida de todos nós há algum tempo, mesmo sem você perceber.

Elas são caracterizadas por serem empresas que tem como objetivo remodelar a área de serviços financeiros através de processos baseados em tecnologia. 

Apesar de oferecerem soluções inovadoras, muito se engana quem acredita que as fintechs se resumem apenas a bancos digitais. Elas podem ser:

  • Fintechs de pagamento;
  • Fintechs de crédito ou empréstimo;
  • Fintechs de crowdfunding;
  • Fintechs de bitcoins;
  • Fintechs de contrôle financeiro,
  • Fintechs de investimento.

SIM e Superdigital: as pioneiras

Com o foco voltado para as classes C e D, o Santander iniciou a integração entre as fintechs através da SIM e da Superdigital.

A Superdigital é uma plataforma de inclusão digital da área financeira, com o propósito de incluir pessoas que não tem acesso a uma conta bancária no mercado financeiro. 

Clientes da Superdigital recebem um cartão Mastercard ao ativarem a conta e que pode ser usado como pré-pago em lojas físicas, além de poder ser utilizado de maneira virtual. Só não é possível o parcelamento de compras. 

Esse ano, 2020, o Santander anunciou a integração entre a Superdigital e a SIM, com o objetivo de oferecer crédito aos seus clientes. 

A SIM foi lançada ano passado e tem como meta oferecer empréstimos a taxas de juros mais baixas, contando com um processo de aprovação mais rápido através do uso de imóveis e outros ativos como forma de garantia.

Integração entre as fintechs do Grupo Santander

A interação entre a SIM e a Superdigital é a primeira realizada entre as plataformas do grupo no Brasil.

A ideia por trás da ação é de oferecer aos clientes, com foco nos não correntistas, um número maior de serviços e produtos.

Esse é o primeiro movimento para o início da integração entre as fintechs do banco Santander. 

Através da interação, a conta digital disponibilizada pela Superdigital – que previamente possibilita transações financeiras, pagamento de contas e recarga de celular e bilhete único – agora também irá oferecer empréstimos que podem variar de R$ 500 a R$ 25 mil reais, com prazo de pagamento entre 3 e 24 meses. 

Uma das principais apostas do banco é modalidade de empréstimo com garantia, que aceita uma moto ou um automóvel como garantia de pagamento da dívida.  

Essa primeira integração tem como objetivo potencializar a entrega dos produtos para os clientes, ou seja, o foco da interação entre as fintechs do grupo é oferecer, de maneira conjunta, todos os serviços do banco. 

Em um futuro próximo, o Santander espera integrar todas as plataformas, unindo as duas primeiras a PI Investimentos e a Em Dia, voltada para renegociação de dívidas.

Todas as fintechs do grupo oferecem serviços que, ao estarem interligados, podem oferecer ao cliente uma enorme diversidade de produtos.

Por Santander

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *