Misturar amor, trabalho e pandemia é possível?

Segundo o IBGE, o número de divórcios no país, no segundo semestre do ano passado, teve um aumento de 260% em cima da média de meses anteriores.

Para muitos, reflexo do maior período de convivência em ambiente doméstico por conta do isolamento imposto pela Covid-19.

Mas e para quem tem a convivência ainda mais potencializada por ? Misturar amor, trabalho e pandemia é possível?

Quais os desafios e segredos para uma boa convivência? Dá para separar cpf e cnpj?

A paisagista Nãna Guimarães e o engenheiro Apoena Marques Oliveira trabalham juntos há mais de 10 anos. Além de cuidar do financeiro da empresa da Nãna, ele atende projetos em conjunto com ela, já que tem uma empresa de irrigação automatizada.

Eles contam que o início não foi fácil, inclusive, eles pensaram em desistir. “Sempre tivemos uma relação muito feliz, mas quando entrou o trabalho começamos a vivenciar conflitos.

Acabamos batendo muito de frente um com o outro”, confessa Nãna apontando as diferenças de personalidade como um dos motivos. “De um lado, um engenheiro com um perfil racional muito forte e eu com uma visão mais artística e criativa”.

Para a paisagista, a persistência e o diálogo foram fundamentais. Foi preciso adaptar a forma de cada um trabalhar.  “Combinamos que ao final de cada dia iríamos sentar para discutirmos sobre o dia de trabalho.

Uma espécie de reunião de alinhamento. E ao final de cada reunião, apenas cuidar de nós! Sem se preocupar com o pouco do dia que ainda nos restava”, revela.

A estratégia deu certo e assim, com o passar do tempo, um foi se adequando ao jeito do outro. “Sabíamos que ambos queriam crescer e assim foi acontecendo.

Hoje nossas reuniões de trabalho passaram a ser semanais acompanhadas de líderes de equipe e pessoal do administrativo. E sempre, ao final de cada uma delas, tiramos o pouco do dia que ainda resta para cuidar de nós!”, conta Nãna.

Mas para quem acha que, de um lado é o trabalho e de outro o relacionamento, se engana. “Vida pessoal e profissional se misturam muito. Não tem jeito de separar, porque em qualquer profissão queremos dividir com o nosso companheiro nosso dia de trabalho.

E quando vimos já estamos falando do assunto. Mas deixamos fluir de forma leve, sem cobranças. Mas em alguns momentos, nos bloqueamos: “Chega de trabalho por hoje”. Tem que se policiar para não ficar maçante”.

Apoena e Nãna dão dicas para outros que trabalham juntos. “Nunca separem os sonhos de vocês! São eles que fazem com que o amor se mantenha sempre em primeiro plano. No trabalho, sejam orgulho um para o outro. O sempre presente. Então a dica é: paciência e persistência”.  

Outro casal que atua junto há vários anos são os arquitetos Maria Fernanda Oliveira e Alexandre Guimarães, do Estúdio 4. Para eles a principal estratégia é o respeito.

“A arquitetura nos uniu e nos impôs olhares e caminhos diferentes dentro do trabalho”, explica Maria Fernanda. Ela conta que algo que ajuda muito neste dia a dia é o fato de ambos compactuarem dos mesmos valores de vida.

Eles lembram ainda da importância de separar as funções de cada um no escritório. “Somos completamente diferentes no trabalho e isso ajudou muito.

A experiência dele me mostrou a importância de delegar e potencializar o talento de cada membro da equipe”.

Entre as principais dicas para outros casais, Maria Fernanda e Alexandre apontam a importância de estabelecer quais as metas de vida e de trabalho juntos e ainda o respeito à opinião alheia sem levar para o lado pessoal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *