Novas cepas do vírus: Precisamos mudar as nossas medidas protetivas?

Depois de mais de um ano de da covid-19, o Brasil e o mundo se deparam com o surgimento de novas cepas do vírus.

Apesar de algo esperado, já que é natural que esses organismos sofram mutações, o anúncio da de novas variantes causa dúvidas quanto ao seu impacto no organismo, taxa de transmissão e possíveis mudanças nos protocolos de à doença.

A infectologista do Hospital Edmundo Vasconcelos, Paula Peçanha, explica que já está comprovada a maior taxa de transmissão das novas variantes encontradas no Brasil, classificadas como P1 e P2.

“O poder de contágio dessas variações do vírus da covid-19 é maior e, portanto, elas infectam mais rapidamente as pessoas.

Com esse cenário, temos que manter o alerta e os cuidados contra a doença para evitar a contaminação e a disseminação destas cepas”, alerta.

Para entender os riscos e os cuidados necessários neste contexto, a especialista elenca as principais dúvidas sobre o assunto e as responde:

Novas medidas de devem entrar na rotina?

Devemos manter o protocolo já conhecido e reforçá-lo durante todo esse período. Ou seja, distanciamento social, higienização frequente das mãos e uso de máscaras seguem essenciais.

Se possível, há recomendação para o uso de duas barreiras de nas máscaras para elevar a segurança contra as variantes.

Quem não tem chance de adotar essa medida, deve garantir que a máscara esteja corretamente posicionada no rosto, cobrindo boca e nariz, sem deixar frestas nas laterais. Além disso, é importante trocar a peça sempre que estiver úmida.

O exame PCR detecta as novas cepas?

Sim, as variantes brasileiras são detectadas pelo exame PCR que temos disponível. Mas vale lembrar que existe um período dentro da evolução da doença em que pode ocorrer um resultado negativo, mesmo com a já presente.

Geralmente isso ocorre na fase inicial dos sintomas e, posteriormente, no décimo dia após o início dos sinais.

Isso não se deve às novas cepas, mas é um alerta para não usarmos o teste como um passaporte para realizar aglomerações e descartar medidas de proteção.

É preciso se vacinar mesmo com o surgimento de variantes?

Sem dúvida. Devemos lembrar que o vírus original da covid-19 não deixou de circular, apenas ganhou a companhia de variações mais transmissíveis.

Além disso, estudos preliminares das aprovadas no Brasil mostram que elas têm eficácia contra as variantes.

Portanto, a vacinação segue sendo essencial e segura para o controle da e para a queda no número de da população.

Por HOSPITAL EDMUNDO VASCONCELOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *