Os impactos negativos e positivos da pandemia ao Meio Ambiente


Cerca de um terço da população global ainda se mantém em quarentena por causa da pandemia do novo coronavírus. O confinamento de cerca de 2,8 bilhões de pessoas foi uma estratégia aplicado pelos países mais afetados para evitar a aceleração dos casos de COVID-19 e a medida varia em grau de intensidade de região para região.

Mas, em uma perspectiva global, essa transformação dramática no cotidiano e no estilo de vida da população causou uma série de impactos ao planeta. Alguns são positivos, outros nem tanto. Veja como a natureza vem respondendo, em curto e médio prazo, à pandemia histórica que enfrentamos agora.

Melhor qualidade do ar

Imagens captadas pelos satélites da NASA mostram a visível diminuição da poluição atmosférica ao redor do mundo. Com a parada de diversas fábricas e a diminuição abrupta dos meios de transportes individuais e públicos, as emissões de dióxido de carbono chegaram a diminuir em até 25% na China, de acordo com estudos realizados pelo Cefet-MG (Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais).

Para além da necessidade de imagens coletadas de fora da Terra, a diminuição da poluição do ar permitiu cenas incríveis, como na Índia. Pela primeira vez em 30 anos, seus moradores, livres da densa nuvem escura de poluição, puderam observar a olho nu grande parte da Dhauladhar, cordilheira que faz parte do Himalaia.

Estima-se que o agravamento de doenças causadas pela poluição do ar seja responsável por 50 mil mortes todos os anos no mundo, segundo o Cefet.

A Itália foi um dos países que mais sofreu com a pandemia do coronavírus na Europa. Por isso foi forçada a tomar algumas das mais rígidas medidas de confinamento e distanciamento social para evitar novas mortes ocasionadas pelo COVID-19.

Durante essa fase triste e dramática para o país, algo inusitado aconteceu. Em Veneza, uma de suas cidades turísticas mais bela se mais visitadas, as águas dos canais´, normalmente turvas, ficaram mais límpidas e claras e foi possível observar os peixes que ali habitam.

pandemia

Aumento dos resíduos sólidos

A diminuição de algumas atividades e serviços significa o aumento de outras. Com o confinamento doméstico exigido pela quarentena, além dos esforços dos serviços de saúde no enfrentamento do novo coronavírus, houve um aumento de 15% a 20% na geração de resíduos sólidos no Brasil, segundo levantamento da Abrelpe (Associação Brasileira de Limpeza Pública e Resíduos Especiais).

Este problema pode ser amenizado e combatido pela sociedade civil e empresas e serviços neste momento delicado. Caso não haja confirmação de casos de COVID-19 na residência, o lixo doméstico pode ser separado de acordo com a composição dos materiais e destinado a reciclagem.

Já as empresas precisam cumprir as leis ambientais e o gerenciamento de resíduos sólidos, como determina a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Os procedimentos podem ser facilitados com a ajuda de ferramentas, como o software de gestão da VG Resíduos, startup especializada em boas práticas de gestão ambiental para empresas.

Maior circulação de

Com menos pessoas circulando pelas ruas e realizando suas atividades cotidianas, os animais estão se sentindo mais seguros para aumentar seu perímetro de circulação nas zonas urbanas.

No Reino Unido, por exemplo, as cabras selvagens podem ser vistas andando tranquilamente pelos bairros e até nos jardins das casas.

Já no Brasil, mais especificamente no Jardim Botânico, Rio de Janeiro, macacos são flagrados brincando do lado de fora dos prédios e na piscina de condomínio.

Apesar de inusitada, essas cenas devem ser vistas com cautela, pois simbolizam uma mudança no comportamento de espécies antes distanciadas do convívio com a população.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *