Longevidade X Finitude: Pandemia coloca holofote nos idosos

A pandemia está redesenhando nossas vidas: da percepção sobre a saúde ao modo como consumimos e vivemos.

De todas as tansformações em curso, um destaque é a alteração da percepção sobre o envelhecimento e sobre o próprio relacionamento com as pessoas maduras.

Com esse holofote direcionado para temas como a e a , temos que fazer algumas reflexões importantes sobre o futuro: tento individual, quanto coletivo.

A pesquisa Plano de Vida & Legado – conduzida pela agetech Janno em parceria com a MindMiners –, traz dados interessantes sobre a percepção dos brasileiros sobre a temática: sete em cada 10 entrevistados com mais de 60 anos afirmam que estão refletindo mais sobre a finitude durante a ; quatro em cada 10 estão com medo de morrer; dois em cada 10 começaram o planejamento de fim de vida durante o distanciamento social. Mas, o que esses números revelam na essência?

Vamos por partes. Sobre a constatação da própria longevidade, viver mais – em uma perspectiva bastante prática – significa ter que poupar por mais tempo.

Entretanto, os brasileiros começam a se planejar mais próximos da aposentadoria.

Entre os entrevistados da pesquisa com mais de 45 anos, 19% já se planejaram; 27% entre os que têm entre 55 e 64 anos e 30% dos brasileiros 60+ se planejaram para o envelhecimento.

Entre as mulheres, essa é uma pauta mais distante, em especial entre as com mais de 65 anos: somente 18% das entrevistadas – com idade entre 45 e 54 anos – começaram o processo de se planejar; 25% com idade entre 55 e 64 anos; e 24% somente aos 65 anos iniciaram o planejamento.

Entre os homens, os índices são 20%, 33% e 45%, respectivamente. Entre 10 brasileiros, apenas dois já fizeram algum tipo de planejamento financeiro para a velhice.

Mesmo sabendo que a longevidade exige um novo plano financeiro, pouco são os que realmente calcularam o valor que precisam poupar: 32% afirmam que nunca pensaram no tema; 23% já fizeram o cálculo.

Sobre a finitude, o momento é delicado. As inúmeras mortes de pessoas acometidas pela pandemia do novo coronavírus – sobretudo as prateadas – evidenciam a fragilidade humana e o ageismo.

De invisíveis ao centro do debate sobre a pandemia da Covid-19, os maduros brasileiros passaram a ser vistos com um olhar de cuidado, proteção e preconceito.

A gravidade da doença revelou uma mudança social que estava em curso, mas que tende a se acelerar pela consciência coletiva sobre o tamanho da população com mais de 60 anos.

No país, esses brasileiros formam um exército de 30 milhões de pessoas que tiveram hábitos comportamentais e de consumo alterados.

Esse contexto aponta para uma reflexão e tomada de decisão essencial: o brasileiro precisa se planejar tanto para a longevidade, quanto para a finitude.

Somos um dos piores países para se morrer: no ranking Qualidade da Morte, conduzido pela Economist Intelligence Unit, o país ocupa a 42ª posição entre 80 países.

No cotidiano, 74% dos brasileiros não falam sobre a morte. Quando a ameaça à vida ganha proporções globais e palpáveis – como temos visto nesta pandemia – o assunto é ainda mais urgente.

Mas, é importante lembrar que falar sobre finitude não se trata de abordar somente o luto, a perda, a saudade.

Planejar a finitude é, acima de tudo, assegurar a liberdade de tomar as próprias decisões e honrar o legado.

Planejar e organizar os documentos mais importantes da vida é essencial para auxiliar a família a lidar, com o mínimo de estresse, com questões como heranças, dívidas e outras pendências.  

No mundo tem surgido startups que têm trabalhado com a temática da finitude.

No Brasil, cito a Janno – da qual sou cofundadora –; no Japão, a Next Japan, um serviço que organiza, limpa e separa as roupas e objetos na casa da pessoa falecida, em especial, no caso de quem morava sozinho.

Entre as norte-americanas, destaco a Cake (aplicativo que ajuda os usuários a comunicarem seus últimos desejos a entes queridos, médicos e advogados) e o Endwell Project (movimento que está ressignificando a experiência da morte por meio de conteúdo qualificado).

Por último, gostaria de falar que temos que pensar sobre o que fazer com os anos a mais que ganhamos de presente.

A longevidade traz uma gama de possibilidades, mas também de responsabilidades – e, talvez, a principal delas é a ressignificação da vida após os 60 anos.

Essa nova geração de maduros, que tanto revolucionou os costumes e a forma de viver na sua juventude, é chamada mais uma vez para inovar: na forma de viver a maturidade e a finitude.

Por Layla Vallias é cofundadora do Hype50+, consultoria de marketing especializada no consumidor sênior e da Janno

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *