Pedra nos rins: Inverno mascara a sede e compromete o funcionamento do corpo

World Kidney Day greeting card low poly design template. Health awareness promotional poster human internal organ banney polygonal point line kidneys in hands care holding vector illustration art

Nos meses de inverno a combinação de baixa umidade com temperaturas amenas podem mascarar a sede e comprometer o funcionamento do corpo

O tempo seco e as temperaturas mais amenas durante a noite e o período da manhã em Goiás esconde algumas armadilhas para a saúde.

Com a umidade relativa do ar podendo chegar a cerca de 30%, segundo previsão do Climatempo para o dia 16 de junho, aumenta a necessidade de boa hidratação para não prejudicar o bom funcionamento do corpo e contribuir para o surgimento de doenças, como os , ou pedras nos .

Segundo a Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), a incidência dos casos aumentam em cerca de 20% nas estações mais quentes dos anos.

A formação de cálculos renais também é mais frequente em regiões mais quentes e secos, como Goiás.

Embora não seja possível controlar os fatores climáticos é importante saber que a falta de água suficiente no organismo favorece o surgimento de sérios problemas de saúde, como explica o médico urologista Fernando Leão.

“O inverno no centro-oeste é ainda mais traiçoeiro porque, como faz frio durante uma boa parte do dia, temos a tendência de não beber tanta água porque não suamos tanto. Porém, é importante se hidratar bem durante o dia”, orienta Leão. 

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a umidade do ar ideal compreende a faixa entre 50% e 80%, mas em Goiás, por pelo menos cinco meses do ano esse número fica abaixo do recomendado.

Em 2019, o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), registrou 8% no mês de setembro. 

Um problema causado pela falta de água no organismo é o cálculo renal, popularmente conhecido como pedra no rim.

Os cálculos são formados pela concentração de minerais e sais ácidos nos rins. Inicialmente assintomáticos, os pacientes podem sentir dores quando as pedras começam a passar pelo ureter.

Os sintomas mais comuns são dores lombares, sangue na urina, febre, náuseas e vômitos.

“Em casos até mais graves, quando não se faz o tratamento adequado, o paciente pode perder a e desenvolver infecção urinária grave.

Para evitar o surgimento de cálculos renais, outra dica é importante a ingestão de alimentos saudáveis, como frutas, legumes e verduras, além de ingerir de 2 a 3 litros de água por dia”, explica Fernando Leão. 

O urologista reforça que a ingestão desses alimentos são importantes para a preservação e o bom funcionamento dos rins.

Já a alimentação baseada em produtos processados ricos em sal e açúcar acabam sobrecarregando o órgão e seu consumo excessivo pode contribuir para o aparecimento dos cálculos.

O médico lembra também, que mesmo com as temperaturas mais elevadas, o ar seco pode ser perigoso já que acelera a absorção do suor pelo ambiente e resseca a pele. 

A infecção urinária é outro problema comum causado pela falta de água no organismo. Causada por bactérias, sendo a Escherichia Coli a mais comum, acomete homens e mulheres.

Os sintomas mais comuns são ardência ao urinar, vontade repentina de ir ao banheiro e incontinência urinária.

Leão explica que é necessário criar o hábito de beber água, mesmo sem estar com sede. “Quando a sede chega é sinal que seu corpo já está desidratado”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *