Sarcopenia: Saiba o que é, sintomas, causas e prevenções

O QUE É

O termo vem do grego e significa perda ou pobreza de carne. Significa perda significativa da massa muscular (massa magra), prejudicando muito a qualidade de vida da pessoa.

Geralmente atinge idosos a partir dos 60 anos. Resumindo, é o resultado do processo de envelhecimento.

SINTOMAS

Os principais sintomas envolvem a perda da força, do equilíbrio e do desempenho físico para realizar atividades como caminhar,  levantar da cama, subir escadas, carregar compras, trocar uma lâmpada, desequilíbrio ao andar em terrenos com desníveis, conferindo assim, maior risco para quedas, fraturas, incapacidade, dependência, hospitalização recorrente e mortalidade no idoso.

CAUSAS

As causas são múltiplas como as alterações hormonais e fisiológicas do próprio envelhecimento, sedentarismo, má alimentação, limitações físicas, depressão e falta de proteína.

Em alguns casos ela é decorrente de doenças como o câncer, infecções e inflamações, traumatismos sérios e outros, que são fatores que levam à perda de massa muscular de forma rápida e muito mais grave do que a que ocorre no envelhecimento.

PREVENÇÃO

Segundo a Dra Bruna Marisa, médica, Membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia e com grande atuação na medicina Esportiva, o mais importante de tudo para prevenir essa perda é

“Fazer uma poupança muscular durante a vida para garantir um envelhecimento saudável, com mais músculos, mais força e mais vitalidade”.

Exercícios físicos de resistência também são fundamentais. Isso reforça a importância de se buscar massa magra enquanto se é jovem. Certamente isso ajudará e muito na sua qualidade de vida durante a terceira idade.

Obs: Hoje recomenda-se a ingestão de pelo menos 1 a 1,2 g de proteínas por quilo de peso corporal, ao dia.

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico é feito por um médico clínico geral ou geriatra através de testes simples para avaliar a força muscular e exames de tomografia nas regiões da perna e do abdômen para estimar o volume muscular.

Pode-se pedir também exames de densitometria de corpo inteiro, ressonância magnética e ultrassom, embora sejam menos usuais.

TRATAMENTOS:

A Dra. Bruna Marisa ainda ressalta que “a dieta adequada, hormônios e equilíbrio na alimentação rica em proteínas acompanhada por um nutricionista são as melhores formas de prevenir e também amenizar os durante o tratamento”; que envolve basicamente exercícios de resistência conforme as condições físicas de cada paciente, dieta com suplementação de proteína e em casos mais avançados, pode incluir também o uso de anabolizantes com acompanhamento médico.

Por Dra Bruna Marisa é médica, pós graduada em Endocrinologia, membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, atua na área de Medicina Esportiva, Ortomolecular e é Especialista em Emagrecimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *