Home office: trabalhar em lugar inadequado pode afetar a saúde

Manter a ergonomia ficou mais difícil durante a pandemia do novo coronavírus, mas trabalhar em lugar inadequado pode afetar a saúde e a produtividade dos colaboradores

Criada pela pandemia do novo coronavírus, a rotina forçada de fez a casa de muita gente se tornar o escritório.

O problema é que a maioria das pessoas não estava preparada para essa mudança.

Além da falta de rotina e da organização de horários, a necessidade de distanciamento social transformou ambientes não muito adequados em estações de trabalho, como o sofá, a cama e, até mesmo, o chão do quarto.

A falta de ergonomia pode impactar não só a saúde, mas também a produtividade do colaborador.

Sentar no sofá com o computador no colo, por exemplo, pode gerar uma flexão excessiva do pescoço e até a redução da circulação de sangue nas pernas.

“Esses locais não foram projetados para acomodar o corpo humano durante horas na mesma posição, implicando em sobrecarga tanto na coluna como nos braços e pernas.

Os principais sintomas são as dores articulares e na coluna lombar”, explica o ortopedista credenciado da Paraná Clínicas, Dr. Carlos Eduardo Miers (CRM-PR 27.513, RQE 18.676).

A repetição diária desse comportamento pode gerar problemas osteomusculares mais importantes, como desvios de coluna, inflamações ou lesões articulares.

Para evitar complicações, uma cadeira adequada é essencial. “Deve ter altura regulável para permitir que os joelhos não fiquem dobrados acima de 90 graus, e os cotovelos permaneçam apoiados nos suportes laterais e nivelados com a mesa. O apoio para as costas também é importante”, alerta o ortopedista.

A iluminação e o mobiliário certos geram conforto, segurança e tranquilidade.

Essa combinação tende a levar o colaborador a fazer mais atividades em um menor período de tempo – sem falar na qualidade da execução.

“Ergonomia impacta também nas taxas de absenteísmo, que influenciam diretamente a produtividade.

Com a estrutura adequada, reduzimos os afastamentos por doenças como a LER (Lesão por Esforço Repetitivo), por exemplo”, aponta o gerente de Pessoas e Processos de Gestão, Anderson Gomes.

Com quase 90% do administrativo atuando de forma remota, a Paraná Clínicas precisou estabelecer um plano de ação rápido para oferecer o suporte adequado ao home office.

“Levantamos com os nossos colaboradores a estrutura existente para realização do trabalho, disponibilizamos computadores para aqueles que não tinham o equipamento em casa e reembolsamos as taxas de energia elétrica e internet.

Para promover um pouco mais de ergonomia, higienizamos e enviamos as cadeiras para quem está trabalhando 100% remoto e tinha interesse em receber”, indica Anderson.

Por Paraná Clínicas, 50 anos de atuação no mercado, a Paraná Clínicas é referência em planos empresariais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *